Páginas

22 de jan de 2013

O Alquimista

|
   
 

    Para os leitores que gostam de livros de ficção, venho indicar hoje para vocês o best-seller  O Alquimista , do escritor brasileiro do qual eu leio , Paulo Coelho, publicado originalmente em 1988. Como diz no prefácio do livro, O alquimista é um livro simbólico, diferente de O diário de um mago que foi um trabalho de não-ficção.
     Este livro narra a história de um jovem pastor de ovelhas chamado Santiago que, após ter um sonho repetido, decide partir em uma longa viagem da Espanha ao Egito, pois, segundo o sonho, é lá, junto às pirâmides, onde ele irá encontrar um tesouro enterrado. Ao iniciar sua jornada ele se vê lançado em uma imprevisível busca por esclarecimento sobre os grandes mistérios que acompanham a humanidade desde o início dos tempos; baseada na história das Mil e uma Noites.

    Em certo momento do livro o jovem Santiago está em uma carana para Al-Fayoum no Egito, no qual se depara com vários tipos de pessoas, antes de ingressar na caravana ele conhece num armazém que parecia mais com um curral ,um homem de origem inglesa, do qual vem falar para Santiago sobre a alquimia e sua busca para com a pedra filosofal. O jovem inglês logo ingressa na caravana também, pois nesse oásis chamado Al-Fayoum encontrava-se um velho alquimista lá. Nesse momento do enredo Paulo Coelho vem descrever sobre alguns fundamentos da alquimia e em certas edições de livros, tem imagens ilustrativas de páginas de alguns livros sobre esse assunto, pertecente ao inglês da obra.
 
 


   Agora lhe explicarei um pouco sobre a alquimia para entenderem sobre o livro, é uma prática antiga que combina elementos da Química, Antropologia, Astrologia, Magia, Filosofia, Metalurgia, Matemática, Misticismo e Religião. 
    Existem quatro objetivos principais na sua prática. Um deles seria a transmutação dos metais inferiores ao ouro; o outro a obtenção do Elixir da Longa Vida, um remédio que curaria todas as coisas e daria vida longa àqueles que o ingerissem. Ambos os objetivos poderiam ser notas ao obter a Pedra Filosofal, uma substância mística. O terceiro objetivo era criar vida humana artificial, os homunculus. O quarto objetivo era fazer com que a realeza conseguisse enriquecer mais rapidamente (este último talvez unicamente para assegurar a existência dos mesmos, não sendo um objetivo filosófico). É reconhecido que, apesar de não ter caráter científico, a Alquimia foi uma fase importante na qual se desenvolveram muitos dos procedimentos e conhecimentos que mais tarde foram utilizados pela Química.




    A Alquimia foi praticada na Mesopotâmia, Egito Antigo, Mundo Islâmico, América Latina Pré-Histórica, Egito, Coreia, China, Grécia Clássica, Kiev e Europa, e mesmo entre os Aborígenes.
    A ideia da transformação de metais em ouro, acredita-se estar diretamente ligada a uma metáfora de mudança de consciência. A pedra seria a mente "ignorante" que é transformada em "ouro", ou seja, sabedoria. Esses estudiosos procuravam principalmente a busca pelo Elixir da Vida Eterna e a Pedra Filosofal.
    Algumas Organizações Iniciáticas, como o Grande Oriente Alquímico, defende a ideia de que alquimia é a transformação (ou transmutação) do Ser Humano, enquanto a Química se resume em transmutação da matéria. Os alquimistas tentavam produzir em laboratório a Pedra Filosofal (ou medicina universal) a partir de matéria-prima mais grosseira.  
    Com esta pedra seria possível obter a transmutação dos metais e o Elixir da Imortalidade, que é capaz de prolongar a vida indefinidamente. O trabalho relacionado com a Pedra Filosofal era chamado por eles de "A Grande Obra".



 
Um livro alquímico do século XVII, que associa símbolos com os astros
 
 
 
Exemplo de um processo alquímico
 
 
   São talvez uma das mais interessantes ideias dos alquimistas seja a criação de vida humana a partir de materiais inanimados. Não se pode duvidar da influência que a tradição judaica teve neste aspecto, pois na cabala existe a possibilidade de dar vida a um ser artificial, o Golem.
    O conceito do homúnculo (do latim, homunculus, pequeno homem) parece ter sido usado pela primeira vez pelo alquimista Paracelso para designar uma criatura que tinha cerca de 12 polegadas de altura e que, segundo ele, poderia ser criada por meio de sémen humano posto em uma retorta hermeticamente fechada e aquecida em esterco de cavalo durante 40 dias. Então, segundo ele, se formaria o embrião.
 
* Influência na cultura popular : Hoje em dia, a alquimia está voltando a se evidenciar no dia-a-dia das pessoas com best-sellers como a série de livros Harry Potter e outros como O Alquimista e O Código da Vinci; os mangás/animes Fullmetal Alchemist e Fullmetal Alchemist: Brotherhood ; além de outras obras, como Fera Ferida, uma novela televisiva, e em jogos, como Orychi, um RPG. Em Harry Potter e a Pedra Filosofal, o famoso alquimista Nicolas Flamel é evidenciado como descobridor e possuidor da Pedra Filosofal, em estudos em conjunto com o diretor Albus Dumbledore e nos livros aparece com 667 anos. Em O Código da Vinci ele é evidenciado como grão-mestre do Priorado de Sião, uma organização que tem como objetivo a proteção do Santo Graal e dos descendentes de Jesus Cristo.
 
 
 
Por Miro Teixeira

2 comentários: